Quatro Curiosidades Sobre o Argentino Ernesto Guevara, o ‘Che’

O mítico ideólogo e comandante da Revolução Cubana, de nacionalidade argentina, foi executado na Bolívia por ordem da CIA em 9 de outubro de 1967

354

Herói para uns, vilão para outros, a vida e controversa imagem desse argentino de Rosário chegou ao fim há 50 anos atrás na Bolívia.

Um dos líderes da revolução comunista cubana, hoje é figura pop e sua foto está estampada em diversos produtos mundo afora.

Entretanto a vida desse personagem histórico tem algumas curiosidades que passam desapercebidas pelo senso comum, e nós as listamos aqui para você:

1) Origens aristocrática, irlandesa e guarani

Ernesto Guevara nasceu em Rosario na Argentina em 14 de junho de 1928. Ele era o mais velho dos cinco filhos de Ernesto Guevara Lynch e Celia de la Serna, ambos pertencentes a famílias da aristocracia Argentina;

Um bisavô paterno, Patricio Julián Lynch e Roo, originário da Irlanda, foi considerado até então o homem mais rico da América do Sul.

Do lado de sua mãe, seus antepassados ​​eram uma mistura de espanhóis de ascendência nobre e indígena Guarani.

2) Um viajante por natureza

Como um legado de sua infância vivida nos barcos a vapor do rio Paraná entre as casas familiares em Buenos Aires e Caraguataí, e lendo livros sobre viagens extraordinárias de Julio Verne, o jovem Guevara desenvolveu uma paixão quase obsessiva por viagens.

Ao estudar medicina em Buenos Aires (graduado em 1953), entre 1950 e 1956, fez inúmeras viagens, sempre com pouco dinheiro e meios precários: pedindo carona, de bicicleta ou de motocicleta.

A cada viagem ia cada vez mais longe: ao noroeste argentino, em um petroleiro na Patagônia, Trinidad, Tobago, Guiana, Venezuela, Brasil, Guatemala até que chegou ao México.

Lá se casou pela primeira vez, definiu sua ideologia política e entrou no movimento revolucionário de Fidel Castro.

3) Os muitos nomes de ‘Che’

Obviamente, o apelido mais conhecido foi Ernesto Che Guevara, devido ao uso da interjeição CHE, muito comum na Argentina e no sul do Brasil (tchê), em 1954 seu amigo guatemalteco, Ñico López, começou a chamá-lo dessa maneira.

Logotipo Che Guevara

Entretanto ele tinha muito outros apelidos. Ernestito e Teté, para sua família e amigos de infância; Chancho (porco), desde a adolescência, por sua lentidão e falta de limpeza pessoal.

Furibundo Serna e sua forma abreviada Fuser, usado quando jogava rugby; O Sniper, pseudônimo com o qual ele assinou seus artigos no jornal clandestino El Cubano Libre, em Sierra Maestra.

Ramón Benítez Fernández, falsa identidade que ele adotou no Uruguai entre 1964 e 1965; Tatu, que significa “três” em swahili (língua falada na Tanzânia), usado pelo guerrilheiro do Congo, ou AMQUACK, seu nome em código usado pela CIA.

4) Ícone do século XX

Após a sua passagem pela Revolução Cubana e pelo governo de Fidel Castro, Che Guevara, cujo pensamento era fortemente internacionalista, foi lutar na África, passando pelo Congo (ex-colônia Belga) e Guiné-Bissau (ex-colônia portuguesa) e outros países.

Em 9 de outubro de 1967 ele foi capturado pelo exército boliviano em colaboração com a inteligência dos EUA. Foi executado de forma sumária e clandestina.

Entretanto a sua conversão em um icônico mito sendo reproduzido em milhões de camisetas e cartazes veio meio ano depois de sua morte. Os estudantes franceses da revolução de maio de 68 foram os primeiros que começaram a usar a sua imagem com a boina estrelada em suas reivindicações.

Desde então, é uma das mais reproduzidas do século XX, e sua figura é uma das mais lembradas por admiradores e detratores.

Pontos de visita na Argentina

Em Buenos Aires você pode visitar o Museo Ernesto Che Guevara situado no bairro de Caballito. Já em Rosario você pode conhecer a Casa Natal del Che.

Falando em Rosário, sua cidade natal, a controvérsia entorno de sua imagem é ainda maior: A “Fundación Bases” uma organização local que se define como “liberal clássica”, reúne assinaturas para remover o monumento a Ernesto “Che” Guevara localizado nessa cidade.

A estátua de “Che” em Rosario – Foto: Google StreetView