Nintendo Retorna Oficialmente à Argentina Com o Switch

Depois de muitos anos de ausência, a Big N irá vender oficialmente os seus produtos e encontrará um mercado dominado pela Sony e o XBox que começa a ganhar espaço

681

Passaram-se muitos anos que a mais icônica empresa de video games do mundo abandonou a Argentina. A situação piorou entre marcar oficiais e o país entrou em estado crítico em 2011 com a proibição de importações imposta no segundo mandato presidencial de Cristina Kirchner.

Entretanto o site argentino Cultura Geek afirma que finalmente, a Big N retornará. A Nintendo vai vender os seus equipamentos oficialmente no país hermano.

Vale lembrar que a empresa japonesa encerrou os seus negócios no Brasil em 2015, deixando os brasileiros órfãos de suporte e vendas oficiais de seus produtos. 

A empresa japonesa começou a demonstrar o interesse pelo mercado argentino devido ao êxito nas vendas do o seu console retrô vendido em redes de varejo da região, o NES Mini.

Por causa do grande interesse dos argentinos (mesmo com um preço exorbitante de cerca de R$ 550,00), fontes seguras que preferem manter-se no anonimato, afirmam que os japoneses estão trabalhando para chegar de forma oficial nas lojas argentinas o mais breve possível e tudo indica será nos próximos meses.

Essas fontes garantem que o retorno será completo e que o carro chefe será o Nintendo Switch, o novo console híbrido da empresa e todo o seu catálogo, bem como o resto do ecossistema, incluindo 3DS e possivelmente o Super Nintendo Mini.

O site Cultura Geek também afirma que inicialmente a Nintendo não terá escritórios no país, porém os seus produtos podem ser comprados oficialmente na Argentina e não no mercado cinza (comércio de uma mercadoria por meio de canais de distribuição que, embora legais, são não oficiais).

Além de garantia e suporte técnico, os consoles vão possuir a corrente local que é 220 v, ao invés dos 110 volts usados nos Estados Unidos, de onde tradicionalmente se importam os consoles vendidos na Argentina.

Ainda não se sabe como vão ser os preços e incidencia de impostos, porém os brasileiros podem começar a considerar dar um pulinho na Argentina para comprar os seus consoles.

 

 

Comentários

comentários