Vai viajar? Sindicatos aeronáuticos vão entrar em greve amanhã

Os profissionais envolvidos com a greve pedem um aumento salarial de até 26%. O Governo Argentino ofereceu 20% até o momento...

99

Depois de mais de 50 dias sem encontrar uma solução às suas reinvidicações salariais, os sindicatos aeronáuticos da Argentina convocaram uma nova greve geral nas atividades, programada para amanhã, dia 31 de outubro.

Um dos cinco sindicatos envolvidos comentou ao jornal Clarin que “isso pode ser revertido se o governo melhorar a oferta de aumento”.

A ameaça de greve traz novamente preocupação àqueles que estão com passagem marcada para a data.

Lembrando que no último dia 13 de outubro – em uma sexta-feira de fim de semana de feriado -, os sindicatos paralisaram mais de 100 voos das companhias Aerolíneas Argentinas e Austral, o que afetou diretamente mais de 10.000 pessoas, tanto no Aeroparque como em Ezeiza.

O cenário desse impasse é preocupante já que envolve muitas associações do segmento, como a APLA (pilotos), a UALA (Austral); a Asociación de Personal Técnico Aeronáutico (APTA) e a Unión Personal de Seguridad Aeronáutico (UPSA).

+Leia mais: Primeira Empresa Aérea Low Cost da Argentina Vai Voar Para o Brasil

Eles exigem um aumento salarial entre 24 e 26 por cento, e a oferta até o momento não cobre esse pedido. O Ministério do Trabalho explica que a oferta líquida atinge 20% (adicionando outros itens).

Além disso, argumentam que “no ano passado eles já obtiveram 40% e que os sindicatos sabem do esforço que estamos fazendo para ser auto-sustentável e não pedir recursos ao Estado”.

Na parte mais dura do comunicado, os sindicatos por sua vez afirmaram que “o governo nacional e o grupo empresarial falharam repetidamente, apesar da história oposta de diálogo e busca de acordos que as autoridades nacionais e empresariais vendem e anunciam à sociedade”.

Nós continuamos na torcida para que a situação se resolva rapidamente e da melhor forma, sem prejudicar mais milhares de viajantes que nada tem a ver com essas questões, né?!

Comentários

comentários